treinamento na gestão da segurança

O papel do treinamento na gestão da segurança do trabalho

Qual a função do treinamento na gestão da segurança do trabalho? Hoje vamos abordar o tema destacando seus impactos e boas práticas para que o treinamento contribua positivamente na gestão da segurança. Confira!

O treinamento na segurança do trabalho desenvolve um papel importante de propagar e atualizar informações sobre os riscos e medidas de controle, a fim de fornecer e manter um ambiente de trabalho mais seguro e saudável.

Além disso, ele também é responsável por fornecer um melhor entendimento dos programas de saúde e segurança por parte dos trabalhadores e gestores das empresas, para que dessa forma, ambos possam contribuir para o desenvolvimento e implementação do programa de segurança do trabalho na empresa.

O treinamento de segurança do trabalho oferece:

  • Conhecimento e habilidades necessárias para realizar seus trabalhos com segurança e fornecer segurança ao trabalhador e aos seus colegas;
  • Consciência e entendimento sobre os riscos, além da identificação, análise e medidas de controle sobre os mesmos;
  • Treinamentos focados nos riscos específicos de cada atividade.

Diretores e gestores podem também ganhar treinamentos voltados para gestão dos programas de saúde e segurança do trabalho, para garantir que realizem seu papel de fornecer liderança, direcionamento e recursos para realização da gestão da saúde e segurança.

Boas práticas de treinamento na gestão da segurança do trabalho

Como dito anteriormente, todos devem entender a estrutura do programa de saúde e segurança para que possa ocorrer seu desenvolvimento, implementação e melhorias.

Vamos explicar de que forma pode ser feito para que o treinamento na segurança do trabalho seja efetivo:

1) Fornecer treinamento para diretores, gestores, supervisores, trabalhadores fixos e temporários sobre:

  • A Politica da saúde e segurança da empresa, assim como também metas e procedimentos da mesma;
  • Funções do programa de saúde e segurança do trabalho;
  • A quem se dirigir sempre quando surgirem dúvidas e questionamentos sobre o programa, incluindo fornecer dados de contato;
  • Como reportar riscos, ferimentos e doenças;
  • O que fazer em uma situação de emergência;
  • As responsabilidades do trabalhador sobre o programa de saúde e segurança;
  • Os direitos do trabalhador sobre a lei.

2) Fornecer informações sobre os riscos presentes na função e como controla-los;

3) Garantir que o treinamento seja oferecido em uma linguagem onde todos os participantes consigam entender o conteúdo;

4) Enfatizar que a eficácia do treinamento só irá ser alcançada se todos estarem envolvidos e dispostos a discutir sobre os processos, fazendo sugestões e reportando perigos avistados, riscos e acidentes;

5) Confirmar, como parte do treinamento, que todos os trabalhadores tem o direito de reportar riscos, incidentes, preocupações com relação a sua segurança e principalmente participar ativamente do planejamento de todo programa.

Veja também: “Como melhorar a cultura da saúde e segurança do trabalho”

Fase de avaliação e melhorias do programa de saúde e segurança do trabalho

Após o programa de saúde e segurança do trabalho for estabelecido e sua versão disponível para todos, é hora de verificar se as metas estão sendo cumpridas e de que forma pode-se apresentar melhorias. Esta fase inclui:

  • Estabelecer, reportar e acompanhar metas e objetivos que podem demonstrar o funcionamento ou não do programa;
  • Avaliar o programa inicialmente e também periodicamente, a fim de identificar melhorias a serem realizadas;
  • Fornecer maneiras para os trabalhadores participarem desta fase.

A análise do programa pode ser realizada baseada no desenvolvimento e rastreamento dos indicadores de progresso, conforme as metas estabelecidas de saúde e segurança. Você pode ter uma ideia nos exemplos a seguir:

  • Números e níveis de gravidade de acidentes e doenças;
  • Resultados da exposição do trabalhador ao riscos;
  • Nível de participação dos trabalhadores no programa;
  • Número de sugestões dos trabalhadores;
  • Período de tempo de resposta a indicação dos riscos verificados;
  • Numero e nível de gravidade dos riscos nas inspeções;
  • Número de trabalhadores que completaram o treinamento;
  • Número de atividades de manutenções preventivas;
  • Opinião dos trabalhadores quanto a efetividade do programa de saúde e segurança;
  • Tempo de correção após identificado o risco no trabalho;

Também deve-se destacar que tudo deve ser devidamente documentado, dessa forma ficará muito mais fácil analisar o progresso do programa e apresentar melhorias. Um processo sempre poderá ser melhorado e para que isso aconteça, reforçamos que todos (diretores, gestores e trabalhadores) devem ter total acesso ao programa de saúde e segurança da empresa.

Veja também: “6 Benefícios da documentação dos procedimentos de segurança”

A INBEP acredita que o treinamento de segurança do trabalho é uma peça chave não apenas para o cumprimento de normas (NR’s) mas também para unir e desenvolver pessoas, criando um ambiente de trabalho mais saudável, seguro e produtivo! Conheça todos os cursos que oferecemos: http://inbep.com.br/cursos/

Fonte: OSHA.gov

Posts Relacionados

Compartilhe :facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *